logo1b

Lc 11, 29-32: O sinal de Jonas

Jesus rejeita todo fingimento, também a adulação. Por isso, observa s. João Crisóstomo:“Diante da insolência de uns, Ele não se irrita, nem se deixa atingir pela bajulação de outros”. Os escribas e fariseus lhe pedem um sinal, pois não acreditam em suas palavras e não querem reconhecê-lo como o Filho de Deus. Eles se fecham em sua incredulidade. Conseqüentemente, não irão também crer em sua morte, considerando-a um escândalo. Por isso, Jesus aponta o profeta Jonas como sinal de sua morte e ressurreição, “por ser ele, confessa s. Agostinho, justamente a prefiguração do Filho do Homem”. Da mesma forma, o povo de Nínive, pela sua penitência e conversão, prefigura o novo Povo de Deus. Por outro lado, o fato de os fariseus e escribas pedirem um sinal, poderia corresponder a um simples costume judaico. Resultaria da necessidade de autenticar a pregação de um mensageiro de Deus. Porém, mesmo antes de o ouvirem, eles já emitem um julgamento prévio, considerando suas obras como provindas do demônio. Por esta razão, as palavras que Jesus lhes dirige são duras e severas. Ele chega a compará-los a uma geração adúltera e perversa.
A fé é fruto da graça divina. Cabe a cada um recusá-la ou acolhê-la. Ela não é a obediência abstrata a um imperativo categórico, ela libera o dinamismo profundo da natureza humana, em sua orientação para Deus. Assim, na pregação de Jonas, os ninivitas reconhecem o próprio Deus lhes advertindo, o que os leva a fazer penitência e a se arrepender. A rainha do sul reconhece a sabedoria de Deus manifestada em Salomão. Infelizmente, os líderes religiosos, do tempo de Jesus, não acolhem os sinais feitos por Ele. Como tinham rejeitado a mensagem de João Batista, agora, eles também não acolhem os sinais realizados por Jesus, o Ungido de Deus, o Messias e se fecham à sua mensagem.
Muitos são os sinais ou milagres realizados por Jesus ao longo de sua vida pública. No entanto, o objetivo não é exibir-se ou mostrar o seu poder. É preparar os discípulos para o maior dos milagres, a sua Ressurreição dos mortos, no terceiro dia. “A fuga do profeta Jonas, confessa s. Pedro Crilósogo, é figura do próprio Senhor. O terrível naufrágio, por sua vez, simboliza sua morte e ressurreição. Aos judeus que pediam um sinal, o Senhor decidiu dar este único sinal, para que eles soubessem que a glória messiânica é transferida às nações, a todos os povos. Portanto, com toda justiça, conclui Jesus, os ninivitas se levantarão no dia do Julgamento e condenarão esta geração, pois eles fizeram penitência por força da pregação de um único profeta. E este profeta era um náufrago, um estrangeiro, um desconhecido”. Igualmente, Orígenes comenta que “a Igreja cumpre o que é prefigurado pela rainha do sul, oferecendo dons que não são corruptíveis, ouro ou aromas, mas o perfume espiritual da fé, ofertando o suor da virtude e o sangue do martírio”.
Qual é a nossa atitude diante da palavra e da sabedoria de Jesus? Se nós o ouvimos e o seguimos, Ele nos oferece a libertação de nossos pecados e nos torna participantes de sua sabedoria.
Jesus rejeita todo fingimento, também a adulação. Por isso, observa s. João Crisóstomo:“Diante da insolência de uns, Ele não se irrita, nem se deixa atingir pela bajulação de outros”. Os escribas e fariseus lhe pedem um sinal, pois não acreditam em suas palavras e não querem reconhecê-lo como o Filho de Deus. Eles se fecham em sua incredulidade. Conseqüentemente, não irão também crer em sua morte, considerando-a um escândalo. Por isso, Jesus aponta o profeta Jonas como sinal de sua morte e ressurreição, “por ser ele, confessa s. Agostinho, justamente a prefiguração do Filho do Homem”. Da mesma forma, o povo de Nínive, pela sua penitência e conversão, prefigura o novo Povo de Deus. Por outro lado, o fato de os fariseus e escribas pedirem um sinal, poderia corresponder a um simples costume judaico. Resultaria da necessidade de autenticar a pregação de um mensageiro de Deus. Porém, mesmo antes de o ouvirem, eles já emitem um julgamento prévio, considerando suas obras como provindas do demônio. Por esta razão, as palavras que Jesus lhes dirige são duras e severas. Ele chega a compará-los a uma geração adúltera e perversa.A fé é fruto da graça divina. Cabe a cada um recusá-la ou acolhê-la. Ela não é a obediência abstrata a um imperativo categórico, ela libera o dinamismo profundo da natureza humana, em sua orientação para Deus. Assim, na pregação de Jonas, os ninivitas reconhecem o próprio Deus lhes advertindo, o que os leva a fazer penitência e a se arrepender. A rainha do sul reconhece a sabedoria de Deus manifestada em Salomão. Infelizmente, os líderes religiosos, do tempo de Jesus, não acolhem os sinais feitos por Ele. Como tinham rejeitado a mensagem de João Batista, agora, eles também não acolhem os sinais realizados por Jesus, o Ungido de Deus, o Messias e se fecham à sua mensagem.  Muitos são os sinais ou milagres realizados por Jesus ao longo de sua vida pública. No entanto, o objetivo não é exibir-se ou mostrar o seu poder. É preparar os discípulos para o maior dos milagres, a sua Ressurreição dos mortos, no terceiro dia. “A fuga do profeta Jonas, confessa s. Pedro Crilósogo, é figura do próprio Senhor. O terrível naufrágio, por sua vez, simboliza sua morte e ressurreição. Aos judeus que pediam um sinal, o Senhor decidiu dar este único sinal, para que eles soubessem que a glória messiânica é transferida às nações, a todos os povos. Portanto, com toda justiça, conclui Jesus, os ninivitas se levantarão no dia do Julgamento e condenarão esta geração, pois eles fizeram penitência por força da pregação de um único profeta. E este profeta era um náufrago, um estrangeiro, um desconhecido”. Igualmente, Orígenes comenta que “a Igreja cumpre o que é prefigurado pela rainha do sul, oferecendo dons que não são corruptíveis, ouro ou aromas, mas o perfume espiritual da fé, ofertando o suor da virtude e o sangue do martírio”.  Qual é a nossa atitude diante da palavra e da sabedoria de Jesus? Se nós o ouvimos e o seguimos, Ele nos oferece a libertação de nossos pecados e nos torna participantes de sua sabedoria.
AddThis Social Bookmark Button

reflexoes_de_dom_fernando2

Redes Sociais

facebook orkut twitter